Arquicast 174 – Pritzker 2022: Francis Kéré

Nosso tradicional episódio sobre o Prêmio Pritzker já está disponível. Como já se sabe, o grande premiado foi o arquiteto africano Diébédo Francis Kéré, conhecido mundialmente pelo trabalho pautado na visão social da arquitetura e na prática do projeto como instrumento de inclusão e transformação. Nossos parceiros nesta conversa são Caio Dias e Bruno Sarmento, a dupla que vem nos acompanhando nas análises sobre as escolhas do júri e sua implicação para a cultura arquitetônica em geral.

A história da premiação pode ser dividida em diferentes períodos, marcados por mudanças, mais ou menos anunciadas, nos critérios levados a cabo pelo júri. Entre sua primeira edição, em 1979, até meados da década de 90, o Pritzker se caracterizou por ser uma premiação voltada a consagração de arquitetos e arquitetas cujo conjunto da obra fosse reconhecido pelo mainstream da crítica arquitetônica mundial.

Porém, na última década, temos observado um redirecionamento para a valorização de profissionais não necessariamente conhecidos ou com extensa produção, mas socialmente comprometidos com seus contextos e inovadores na abordagem que fazem dos problemas urbanos contemporâneos. Para além da criação de objetos arquitetônicos excepcionais, o processo de projeto e a geração de conhecimento a partir dele têm se destacado como características diferenciais dos últimos premiados.

Francis Kéré, nesse sentido, não poderia ser uma escolha mais acertada. Além de uma capacidade de responder de forma eficiente a demandas contemporâneas globais, como escassez de materiais e o impacto das mudanças climáticas no ambiente urbano, Kéré assume uma abordagem projetual que considera as comunidades locais como parte do processo criativo e construtivo, e a cultura material e simbólica de um lugar como ponto de partida de sua elaboração conceitual, orientando escolhas sobre as técnicas construtivas, a materialidade e espacialidade desejada.

Com bases em Burkina Faso e Berlim, Kéré e sua equipe buscam equilibrar o compromisso com o trabalho social com projetos que o ajudem a viabilizar economicamente essa escolha. Atuando incessantemente em obras em seu país de origem, conduzindo workshops e espaços de aprendizagem, interessa à Kéré produzir e compartilhar conhecimento, atuando, em suas palavras, na “intersecção entre a utopia e o pragmatismo”.

Quer saber mais sobre a obra de Kéré e como a premiação repercutiu no universo da arquitetura? Escute o episódio e até a próxima!


Dicas e comentados no episódio:



Clique aqui e entre em nosso grupo no Whatsapp!

Clique aqui e entre em nosso canal no Telegram!


Siga nosso canal no YouTube


 


Comentários, críticas, sugestões: contato@arquicast.com


Assine o feed: iTunes | Android | Feed

 

 

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *