Arquicast 106 – Arquitetura e Cinema: No topo do poder

    Siga o Arquicast:

    Clique aqui e entre em nosso grupo no Whatsapp!

    Mais um novo episódio do Arquicast da série Arquitetura e Cinema! Dessa vez o filme debatido é “High Rise”, no Brasil conhecido como “No Topo do Poder”. A obra é uma adaptação do livro homônimo de James Graham Ballard, e explicitamente faz uma dura crítica social e econômica das formas de organização da sociedade. Dirigido por Ben Wheatley, conta com um elenco de estrelas como: Tom Hiddleston (o Loki da franquia de heróis da Marvel), Jeremy Irons, Sienna Miller, Luke Evans e Elisabeth Moss (da série “Mad Men” e “The Handmaid’s Tale”). Lançada em 2016, a película foi um sucesso de crítica, no entanto, um fracasso de bilheteria. Fato que não atrapalha a experiência, pelo contrário!

    Um médico legista se muda para um edifício em construção, e aos poucos começa a conhecer seus vizinhos, bem como iniciar um convívio com eles. Nós espectadores vamos desvendando junto com a personagem as nuances daquele ambiente. O edifício funciona como uma grande engrenagem, além dos apartamentos, o complexo possui supermercado, academia, piscina e outros equipamentos. Existe um certo clima de desconfiança, revelado pelas expressões do médico, dessa arquitetura de tipologia Modernista. O edifício pode ser visto como uma espécie de alegoria da sociedade, simulando uma cidade disforme e disfuncional, seus moradores vivem em camadas, estratos sociais divididos pelos pavimentos.

    Aparentemente, todos se comportam bem nessa megaestrutura, a “criatura” vertiginosa parece atender perfeitamente aos anseios dos seus moradores. Todos saem pela manhã rumo ao trabalho, e desempenham ordinariamente a rotina típica das famílias norte-americanas da década de 1960. Mesmo não sabendo muito bem para onde vão em suas saídas, interessa ao diretor nos passar a percepção de uma sociedade mecanizada, num primeiro momento.

    O arquiteto que projetou a edificação mora na cobertura, onde supostamente está controlando tudo. Seu apartamento curiosamente simula uma paisagem não-urbana, e fica evidente seu desconhecimento em relação àquelas vidas que ocupam a sua obra. É interessante assistir ao filme entendendo que o protagonista da história tanto pode ser o médico quanto o próprio edifício.

    Com essa proposta, o filme nos induz a uma série de reflexões e interpretações dos temas estruturados pelo roteiro. Podemos, com essa obra, discutir o problema da arquitetura e a suas assimetrias com o convívio social, ou mesmo o filme pode nos levar ao abismo da psique humana. Bem, você pode acompanhar mais dessa discussão escutando todo o nosso episódio nesse link. Boa diversão!


    Referências e Comentados no episódio:

    • under construction

    Acesse o site do evento: https://www.uia2020rio.archi/

    Em breve mais notícias da parceria Arquicast+ UIA2020!


    Comentários, críticas, sugestões ou só um alô mamãe para contato@arquicast.com


    Assine o feed: iTunes | Android | Feed


    Siga nosso canal no YouTube


    Mande um salve em nosso Whatsapp: (32) 98428-9877 | Clique aqui e entre no grupo!


     

     

     

     

     

    Deixe um comentário

    Oi gente! Esse é o Arquicast 226 e hoje vamos falar sobre uma das residências mais icônicas do século XX. Construída em cima de uma…

    A tarefa deste livro foi bem ambiciosa e realizada por uma autora que não é arquiteta: compilar os vários pensamentos sobre a cidade e retratar…

      O sonho de montar um escritório de arquitetura e criar projetos autorais é uma aspiração comum entre muitos recém-formados em arquitetura e urbanismo. No…