Arquicast 106 – Arquitetura e Cinema: No topo do poder

    Siga o Arquicast:

    Clique aqui e entre em nosso grupo no Whatsapp!

    Mais um novo episódio do Arquicast da série Arquitetura e Cinema! Dessa vez o filme debatido é “High Rise”, no Brasil conhecido como “No Topo do Poder”. A obra é uma adaptação do livro homônimo de James Graham Ballard, e explicitamente faz uma dura crítica social e econômica das formas de organização da sociedade. Dirigido por Ben Wheatley, conta com um elenco de estrelas como: Tom Hiddleston (o Loki da franquia de heróis da Marvel), Jeremy Irons, Sienna Miller, Luke Evans e Elisabeth Moss (da série “Mad Men” e “The Handmaid’s Tale”). Lançada em 2016, a película foi um sucesso de crítica, no entanto, um fracasso de bilheteria. Fato que não atrapalha a experiência, pelo contrário!

    Um médico legista se muda para um edifício em construção, e aos poucos começa a conhecer seus vizinhos, bem como iniciar um convívio com eles. Nós espectadores vamos desvendando junto com a personagem as nuances daquele ambiente. O edifício funciona como uma grande engrenagem, além dos apartamentos, o complexo possui supermercado, academia, piscina e outros equipamentos. Existe um certo clima de desconfiança, revelado pelas expressões do médico, dessa arquitetura de tipologia Modernista. O edifício pode ser visto como uma espécie de alegoria da sociedade, simulando uma cidade disforme e disfuncional, seus moradores vivem em camadas, estratos sociais divididos pelos pavimentos.

    Aparentemente, todos se comportam bem nessa megaestrutura, a “criatura” vertiginosa parece atender perfeitamente aos anseios dos seus moradores. Todos saem pela manhã rumo ao trabalho, e desempenham ordinariamente a rotina típica das famílias norte-americanas da década de 1960. Mesmo não sabendo muito bem para onde vão em suas saídas, interessa ao diretor nos passar a percepção de uma sociedade mecanizada, num primeiro momento.

    O arquiteto que projetou a edificação mora na cobertura, onde supostamente está controlando tudo. Seu apartamento curiosamente simula uma paisagem não-urbana, e fica evidente seu desconhecimento em relação àquelas vidas que ocupam a sua obra. É interessante assistir ao filme entendendo que o protagonista da história tanto pode ser o médico quanto o próprio edifício.

    Com essa proposta, o filme nos induz a uma série de reflexões e interpretações dos temas estruturados pelo roteiro. Podemos, com essa obra, discutir o problema da arquitetura e a suas assimetrias com o convívio social, ou mesmo o filme pode nos levar ao abismo da psique humana. Bem, você pode acompanhar mais dessa discussão escutando todo o nosso episódio nesse link. Boa diversão!


    Referências e Comentados no episódio:

    • under construction

    Acesse o site do evento: https://www.uia2020rio.archi/

    Em breve mais notícias da parceria Arquicast+ UIA2020!


    Comentários, críticas, sugestões ou só um alô mamãe para contato@arquicast.com


    Assine o feed: iTunes | Android | Feed


    Siga nosso canal no YouTube


    Mande um salve em nosso Whatsapp: (32) 98428-9877 | Clique aqui e entre no grupo!


     

     

     

     

     

    Deixe um comentário

    Hoje voltamos em um assunto que foi pauta recente por aqui. Retomamos o tema do episódio 214, sobre ambientes de trabalho em arquitetura, já que…

    Em mais um episódio de entrevista, o Arquicast recebe a ilustre arquiteta Fernanda Marques. Formada pela FAU USP, Fernanda faz questão de desenvolver seus projetos…

    Hoje vamos falar sobre um tema que tem circulado entre os profissionais arquitetos nos últimos anos, principalmente através das redes sociais. Muita gente ainda tem…