Arquicast 112 – Arquitetura e Cinema: Gattaca (1997)

    Siga o Arquicast:

    Num futuro não tão distante, apesar de avanços tecnológicos e científicos significativos, a humanidade ainda estará dividida em grupos sociais de privilegiados e desprivilegiados. A desigualdade social é um dos temas centrais do filme que abordamos neste cast, mas as causas que diferem os que têm muito dos que têm pouco deixou de ser a pertença à uma classe dominante culturalmente, ou o acesso ao capital financeiro. Ao menos, não à primeira vista. É o determinismo genético que cumpre este papel. Estamos falando de Gattaca, filme de Andrew Niccol rodado em 1997.

    Parte das questões trazidas pelo filme trata das consequências de uma sociedade oprimida pelo controle genético de sua população: nascimentos, empregos e até relacionamentos são ditados pelo seu DNA. A história que se desenrola neste contexto é exatamente a de um homem comum que, em busca de seu sonho e de maior reconhecimento social, tenta burlar as regras de contratação de uma grande empresa se fazendo passar por uma pessoa geneticamente perfeita. Os “válidos” são exatamente o grupo de indivíduos que tiveram seus genes alterados antes do nascimento, excluindo possíveis imperfeições (físicas e cognitivas) e maximizando características valorizadas pela sociedade e pelo mercado de trabalho.

    Este futuro nada improvável é retratado pelo diretor através de uma estética do passado, em que carros e roupas da primeira metade do século XX se harmonizam com arquiteturas minimalistas, com destaque para o edifício-sede da empresa onde a trama se dá, projeto de F.L. Wright para o Marin County Civic Center, feito em 1957 pouco antes de sua morte. O grande edifício é caracterizado por uma linguagem de extrema racionalidade, com espacialidades e elementos construtivos compondo cenários de grande pureza geométrica. O resultado final reflete a visão de F.L.W. sobre como seriam as cidades no futuro. Tal uso da racionalidade compositiva também pode ser observado no edifício residencial onde moram os protagonistas. Projeto de Antoine Predock, o CLA Building é parte do campus universitário da California State Polytechnic University, mas, apropriado por Niccol e seus personagens, transmite a objetividade e certa imparcialidade de blocos residenciais que abrigam o habitar como atividade meramente protocolar.

    Com uma arquitetura “do passado” cumprindo seu papel como elemento representativo de determinada cultura, Gattaca explora questões futuras que já se fazem importantes nos debates atuais de nossa sociedade, como a ética na ciência, a exclusão social e o papel da tecnologia mediando as relações entre os homens.

    Clique aqui e entre em nosso grupo no Whatsapp!


    Referências e Comentados no episódio:


    Siga nosso canal no YouTube


    Acesse o site do evento: https://www.uia2020rio.archi/

    Em breve mais notícias da parceria Arquicast+ UIA2020!


    Comentários, críticas, sugestões ou só um alô mamãe para contato@arquicast.com


    Assine o feed: iTunes | Android | Feed

    Deixe um comentário

    Hoje vamos conversar sobre uma das práticas que ajudaram a definir nossa profissão. Observar e representar o nosso mundo, mais que ser coisa de arquiteto,…

    Nesse primeiro episódio do 2024 propusemos discutir discutir a relação! Brincadeiras à parte, hoje queremos conversar sobre como é a relação dos arquitetos com seus…

    No último episódio de 2024, o Arquicast se aventurou em uma intrigante jornada de especulação sobre o futuro da arquitetura. Inspirados por um provocante artigo…