Arquicast Especial – Conversa com o júri: 9º Prêmio Arquitetura Tomie Ohtake Akzonobel

  • Neste episódio especial, sobre o 9º Prêmio Arquitetura Tomie Ohtake Akzonobel, tivemos a oportunidade de conversar com o júri e conhecer os bastidores de um processo tão importante em premiações dessa natureza. No episódio anterior, foi discutida a função das premiações no campo da arquitetura como agentes definidores dos cenários da produção profissional. Também tivemos[...]
Siga o Arquicast:

Neste episódio especial, sobre o 9º Prêmio Arquitetura Tomie Ohtake Akzonobel, tivemos a oportunidade de conversar com o júri e conhecer os bastidores de um processo tão importante em premiações dessa natureza. No episódio anterior, foi discutida a função das premiações no campo da arquitetura como agentes definidores dos cenários da produção profissional. Também tivemos a chance de conhecer um pouco mais da história do prêmio e sua evolução ao longo das nove edições. Agora, teremos a oportunidade de entender como os critérios foram aplicados na seleção dos projetos, além de conhecer um pouco do perfil de cada jurado, que contribuiu para a construção da identidade desta edição do prêmio.

Participaram Carol Tonetti, arquiteta e urbanista, doutora em “Projeto, Espaço e Cultura” pela FAU-USP e professora na Escola da Cidade há 20 anos; Ester Carro, arquiteta, urbanista social e mestre em planejamento urbano, presidente do “Fazendinhando”, Instituto de transformação territorial, cultural e social, que realiza projetos sociais e intervenções físicas em favelas de São Paulo; Clevio Rabelo, doutor em História da Arquitetura pela FAU/USP e Professor Adjunto na área de Projeto Arquitetônicono DAUD-UFC, em Fortaleza, onde coordena ações de extensão, como o “Projeto Arquitetônico: Pensamento e Práxis, o Geração Migrante e a pesquisa Arquitetura Bicha”; e Thaís Troncon Rosa, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia, pesquisadora associada do PPGAU-FAUFBA.

Durante as conversas com os jurados, diversos tópicos foram apresentados, refletindo a diversidade regional presente nos projetos selecionados. Houve uma valorização das diferentes abordagens arquitetônicas e urbanísticas que surgem em cada região do país, levando em consideração suas particularidades culturais, climáticas e sociais. Essa diversidade regional se mostrou fundamental para enriquecer a seleção e ampliar a representatividade da arquitetura brasileira, ao reconhecer e valorizar as distintas formas de pensar e intervir no espaço.

Foram considerados, dentre outros aspectos, a preocupação em valorizar práticas arquitetônicas que minimizem o impacto ambiental e promovam a sustentabilidade, a importância da utilização de materiais locais na concepção dos projetos. Valorizar os recursos disponíveis em cada região não apenas contribui para a economia local, mas também promove uma conexão mais profunda com o contexto em que a obra está inserida. A utilização de materiais locais não apenas ressalta a identidade cultural e arquitetônica, mas também reduz a pegada ambiental ao minimizar a necessidade de transporte e a emissão de gases poluentes.

Os jurados também destacaram aspectos artísticos presentes nos projetos selecionados. Além da funcionalidade e estética, houve uma valorização das abordagens que se aproximam da arte e exploram a expressão criativa dos espaços. A interação entre arquitetura, arte e design foi enfatizada como uma forma de enriquecer a experiência dos usuários e de criar ambientes que estimulam a sensibilidade estética e emocional.

A relação dos projetos com o contexto social também foi um tema recorrente nas discussões do júri. A compreensão dos desafios e demandas sociais presentes nas diferentes realidades brasileiras foi considerada fundamental para a seleção. Os projetos que demonstraram uma forte conexão com as necessidades das comunidades e que buscaram promover a inclusão social e a melhoria da qualidade de vida foram valorizados. Essa abordagem revela uma preocupação do prêmio em reconhecer espaços e lugares que estejam em sintonia com as demandas e os anseios da sociedade, redesenhando o campo da arquitetura e do urbanismo em cada oportunidade de dar visibilidade às boas práticas. Até o próximo episódio!

Participantes

Adilson Amaral

Adilson Amaral

Co-fundador do ARQUICAST, o Podcast de Arquitetura e Urbanismo. Arquiteto e mestre em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atua como professor do Centro Universitário UniAcademia e como arquiteto autônomo na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais. Com experiência nas áreas de projeto de arquitetura e ArchViz (Visualização Arquitetônica), viu no podcast uma ferramenta poderosa na discussão e compartilhamento de conhecimento na área, para alcançar profissionais e curiosos sobre arquitetura e espaço urbano.

Rapha Rodrigues

Rapha Rodrigues

Co-fundador do ARQUICAST, o Podcast de Arquitetura e Urbanismo. Pai do Miguel e do Joaquim, formado em Arquitetura, Mestre em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e atual Subsecretário de Planejamento do Município de Juiz de Fora (MG), é também professor universitário há mais de 15 anos. Possui experiência nas áreas de projetos de arquitetura e design, execução e gerenciamento de obras, planejamento e projeto do espaço urbano. Idealizou o Arquicast para compartilhar experiências, escutar novas histórias e abraçar o universo das cidades e das construções de um jeito leve e divertido.

Sabrina Fontenele

Sabrina Fontenele

Arquiteta e urbanista pela Universidade Federal do Ceará, com mestrado e doutorado pela FAUUSP e pós doutorado pela Unicamp. Autora de alguns livros, entre eles, “Modos de morar nos apartamentos duplex: rastros de modernidade” (2021) e “Edifícios modernos e traçado urbano no Centro de São Paulo” (2015). É professora e Coordenadora de Pesquisa do Conselho Científico da Escola da Cidade. Foi Diretora de Cultura do IABsp (2020-2022) e co-curadora da 13ª Bienal de Arquitetura de São Paulo. Coordenadora de Prêmios do Instituto Tomie Ohtake desde julho de 2022.

Carol Tonetti

Carol Tonetti

Arquiteta e urbanista, doutora em Projeto, Espaço e Cultura pela FAU-USP (2020). É professora na Escola da Cidade desde 2003, onde foi responsável por reestruturar os currículos da sequência disciplinar de Meios de Expressão (2013-2019), e onde hoje coordena o Estúdio Vertical da graduação e o curso de Pós-graduação lato-sensu Arquitetura, Educação e Sociedade – voltado à formação de professores. Atua entre os campos da arquitetura, da arte e do ensino explorando as potencialidades das práticas espaciais na pesquisa, na produção tridimensional e nas articulações dos espaços urbanos com seus diversos agentes socioculturais. Sua produção entrecruza sua atuação com O grupo inteiro, formado em 2014. Desde abril de 2022 dirige o Núcleo de Cultura e Participação do Instituto Tomie Ohtake.

Ester Carro

Ester Carro

Arquiteta, urbanista social e mestre em planejamento urbano, pesquisadora no Núcleo de Mulheres e Território do Laboratório de Cidades (Arq. Futuro e Insper). Desde 2017 é presidente do Fazendinhando, Instituto de transformação territorial, cultural e social, da qual realiza a gestão de projetos sociais e intervenções físicas em favelas de São Paulo. Em 2019 foi uma das selecionadas para participar da XII Bienal Internacional de Arquitetura, em 2021 foi finalista no Prêmio Empreendedor Social pela Folha e uma das vencedoras da Premiação IAB-SP na categoria: urbanismo, planejamento e cidade. Em 2022 participou de um intercâmbio voluntário em Bogotá na Colômbia para melhor compreensão do desenvolvimento da cidade a partir das transformações do urbanismo social e convidada como palestrante para participar do Festival Cidades Selvagens em Marsella, na França idealizado pela Fundação Va Jouer Deho.

Clevio Rabelo

Clevio Rabelo

Doutor em História da Arquitetura pela FAUUSP (2011), mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2006) e arquiteto e urbanista pela Universidade Federal do Ceará (2001). Desde 2019, é Professor Adjunto na área de Projeto Arquitetônico (40h-DE) no DAUD-UFC, em Fortaleza, onde coordena ações de extensão como o Projeto Arquitetônico: Pensamento e Práxis, o Geração Migrante e a pesquisa Arquitetura Bicha. Entre 2011 e 2019, foi professor das áreas de projeto e história contemporânea no FIAM-FAAM Centro Universitário, na UNIP e na Especialização em Design de Interior do Senac, todos em São Paulo.

Thaís Troncon Rosa

Thaís Troncon Rosa

Arquiteta urbanista (EESC-USP), com mestrado em História (Unicamp) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo (IAU-USP), com estágio sanduíche na Universidad de Sevilla. Professora da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia (FAUFBA), onde coordena atualmente o Núcleo de Teoria, História, Projeto e Planejamento. Professora da Residência AU+E – Especialização em Assistência Técnica, Habitação e Direito à Cidade e do Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU/UFBA), onde coordena o grupo Margear. Integra as redes moradia-assessoria e cidades pretas, e as articulações coletivas Monotrilho em Disputa e Campanha Zeis Já! Nosso direito à moradia e à cidade. Foi sócia-fundadora do coletivo TEIA – casa de criação (São Carlos/SP) e colaboradora na assessoria USINA – centro de trabalhos para o ambiente habitado (São Paulo/SP)

Oferecimento

Deixe um comentário

Nesse primeiro episódio do 2024 propusemos discutir discutir a relação! Brincadeiras à parte, hoje queremos conversar sobre como é a relação dos arquitetos com seus…

No último episódio de 2024, o Arquicast se aventurou em uma intrigante jornada de especulação sobre o futuro da arquitetura. Inspirados por um provocante artigo…

Hoje voltamos em um assunto que foi pauta recente por aqui. Retomamos o tema do episódio 214, sobre ambientes de trabalho em arquitetura, já que…