Arquicast 155 – Arquitetura e Cinema: O Homem ao Lado

    Siga o Arquicast:

    Neste episódio conversamos sobre um filme que, apesar de ambientado no único projeto de Le Corbusier efetivamente construído em toda a América Latina, tem toda sua trama centrada em um elemento arquitetônico, digamos, quase secundário, do ponto de vista compositivo da obra: o muro da divisa dos fundos. Estamos falando do premiado filme argentino O Homem ao Lado. As relações de vizinhança e a própria arquitetura servem de ponto de partida para os diretores falarem de temas espinhosos como direito de propriedade, desigualdade social, cultura e intolerância.

    Quem nos acompanha nessa empreitada é a arquiteta Paula Vilela, sócia fundadora da produtora Filmes de Bolso e mestre em Cenografia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Junto com a Paula, participa ainda o arquiteto Gustavo Novais, presença frequente em nossos casts.

    “O Homem ao Lado”, dirigido por Mariano Cohn e Gastón Duprat, conta a história do premiado designer industrial Leonardo (Rafael Spreguelburd), que mora na famosa casa com sua esposa e filha, e sua relação nada amigável com seu vizinho de fundos, Victor (Daniel Aráoz). Os conflitos começam quando Victor abre uma janela exatamente no muro que faz a divisa de fundos entre os dois terrenos, onde, por lei, não é permitida nenhuma abertura. Mas o filme vai muito além da legislação urbana.

     Tratada como uma obra de arte, a casa é entendida como um espaço imaculado e qualquer alteração não prevista interfere na apreciação e vivência deste espaço. Ao menos, pelo ponto de vista de Leonardo e sua família. E é neste sentido que a arquitetura desempenha um papel central na trama.

    O projeto de Le Corbusier, conhecido como Casa Curutchet devido ao nome de seu primeiro morador, segue à risca os preceitos modernistas e o filme explora amplamente o resultado espacial da conjugação dos 5 pilares fundamentais do Movimento Moderno: planta livre, janela em fita, fachada livre, terraço-jardim e a estrutura independente, com pilotis. As medidas internas da casa foram adaptadas tendo o Modulor como parâmetro. O projeto final, como vemos no filme, teve ainda a colaboração do arquiteto argentino Amancio Williams, responsável pelo acompanhamento da obra, uma vez que Le Corbusier não chegou a visitar o local.

    Durante todo o filme é possível perceber a relação das pessoas com o espaço projetado e como os arquitetos souberam tirar partido dos elementos arquitetônicos modernistas para lidar com um terreno de uso residencial, num lote de miolo de quadra, cercado por edificações mais altas. A busca por luz e pela qualidade do ambiente interno é o grande motivador das ações dos personagens e simboliza as diferenças entre as posições econômicas e culturais dos protagonistas.

    Os diretores não economizam na crítica à dimensão objetual da arquitetura e em como a exacerbação de um determinado padrão de beleza e comportamento pode ser extremamente excludente e, no caso do filme, até mesmo perigoso.

    Ficou curioso(a)? Então não deixe de ouvir!

    Ótimo cast e até a próxima!


     

    Apoio: 

    https://www.rocaceramica.com.br/


     

    Clique aqui e entre em nosso canal no Telegram!


    Clique aqui e entre em no grupo Oficina do Arquicast no Whatsapp (grupo limitado)!


    Siga nosso canal no YouTube



    Comentários, críticas, sugestões: contato@arquicast.com


    Assine o feed: iTunes | Android | Feed

    Deixe um comentário

    Oi gente! Esse é o Arquicast 226 e hoje vamos falar sobre uma das residências mais icônicas do século XX. Construída em cima de uma…

    A tarefa deste livro foi bem ambiciosa e realizada por uma autora que não é arquiteta: compilar os vários pensamentos sobre a cidade e retratar…

      O sonho de montar um escritório de arquitetura e criar projetos autorais é uma aspiração comum entre muitos recém-formados em arquitetura e urbanismo. No…